domingo, 26 de maio de 2013

Atividades Permanentes - ATIVIDADE COM O NOME

ATIVIDADE COM O NOME: “CHAMADA”
O desenvolvimento de um trabalho sistemático e frequente com o nome próprio representa importante estratégia didática na alfabetização. 
O nome próprio traz uma carga emocional maior do que outras palavras, 
que muitas vezes não têm significado para o aluno. 
O nome próprio é um modelo de escrita estável (palavra estável é aquela 
que o aluno tem certeza de que se retirarmos uma letra, trocá-la de 
posição, invertê-la, deixa de ter o mesmo significado).
O TRABALHO COM OS NOMES DOS ALUNOS “CHAMADA” TEM COMO FINALIDADES:
Ø Propor aos alunos uma oportunidade privilegiada de reflexão sobre a 
língua escrita por se tratar de uma palavra estável.
Ø Proporcionar aos alunos momentos de reflexão sobre a leitura e 
escrita do seu nome e dos colegas de classe em contextos reais 
informando-lhes sobre as letras: a quantidade, a posição e a ordem 
delas no nome.
Ø Desafiar os alunos a lerem os próprios nomes e os dos colegas 
acionando estratégias de antecipação, o que possibilita descobrir o 
que está escrito.
Ø Fazer com que os alunos reflitam sobre as letras e seus sons 
comparando nomes parecidos, reconhecendo as letras iniciais e finais 
dos nomes e permitindo o contato com diferentes sílabas e diferentes tamanhos de palavras.
DESENVOLVER ATIVIDADES DIVERSIFICADAS, COMO:
Ø Disponibilizar a cada aluno o crachá com a escrita do seu nome (letra 
de forma de um lado e cursiva do outro). Ensinar aos alunos onde termina 
e onde começa a escrita do nome, destacando o som da letra inicial, 
final...
Ø Fazer a chamada dos alunos utilizando material escrito como apoio 
(no caso, os crachás dos alunos).
O encaminhamento pode e deve variar: 
Exemplo:
  • Você lê e mostra os crachás procurando destacar alguma informação sobre a escrita dos nomes.
  • Você mostra o crachá e desafia a turma (ou um aluno) a ler o nome nele registrado (dê dicas que destaquem elementos da escrita dos nomes e/ou forneça informações sobre a mesma).
Ø Pedir que os alunos escrevam o nome no caderno ou em outro material, 
de acordo com o planejamento. O encaminhamento pode variar: sem 
consulta, ou seja, conforme as suas hipóteses, com consulta ao colega (favorecendo a troca de ideias), com consulta a algum material.
Ao perceber que algum aluno fez o registro do nome de forma incorreta, 
pegar o crachá e desafiá-lo a compreender que para escrever o seu 
nome ele precisa de determinadas letras que são organizadas de uma 
única forma.
Ø Escrever os nomes dos alunos no quadro construindo uma LISTA (se 
preferir esta lista pode ser escrita no quadro com antecedência).
  • desafiar os alunos a identificarem alguns nomes na lista (contar as letras, verificar se há repetição de letras, identificar nomes que começam com a mesma letra, procurar nomes que possuam a mesma quantidade de letras).
  • entregar letras soltas para que os alunos possam reconstruir alguns dos nomes da lista; pode ser os nomes dos alunos que faltaram, os nomes começados ou terminados com determinada letra escolhida pelo professor (ditar os nomes).
  • fazer a revisão coletiva tendo o cuidado de refletir com os alunos, como por exemplo: que F de Fátima tem o mesmo som de F de Felipe, que letras iguais podem ter sons diferentes, como C de Carla e C de Cíntia etc.
As atividades acima relacionadas não serão realizadas num único 
momento. Escolher apenas uma para cada vez.
Ø Entregar aos alunos a lista mimeografada, estimulando a realização 
de antecipações sobre o conteúdo da lista, assim: temos aí uma lista; 
será lista de quê? Alguém já descobriu o seu nome? Descobriu o nome 
de algum colega? Vamos ver quem consegue encontrar onde está escrito 
o nome do(a)... etc. Propor as seguintes atividades utilizando a lista de nomes:
  • Leitura coletiva e apontada dos nomes escrito observando se há repetição de letras no próprio nome e pintá-las
  • Marcar os nomes que começam com a mesma letra ou a mesma sílaba.
  • Cobrir com lápis de cor os nomes iniciados com a letra C (aproveite para explorar os nomes encontrados: quantidade de letras, letra inicial, final, nomes e sons dessas letras).
  • Pintar os nomes que possuem uma quantidade determinada de letras, como por exemplo: pintar os nomes que têm 4 letras.
  • Marcar os nomes que terminam com a letra A
  • Riscar os nomes que terminam com a letra I e circular os nomes que terminam com a letra O. Perguntar: São nomes de meninas ou de meninos?
  • Identificar os nomes que têm mais letras e os que têm menos letras.
  • Identificar a letra que mais aparece ao final dos nomes dos alunos da turma.
As atividades acima relacionadas não serão realizadas num único momento. Escolher apenas uma para cada vez.
Ø Organizar com a turma um mural com o alfabeto dos nomes dos alunos. Durante a atividade, chamar a atenção para a letra inicial de cada nome 
e o seu respectivo som. Pode-se também chamar atenção para a sílaba 
inicial dos nomes.
Ø ENCONTRE O SEU NOME:
  • Organizar as carteiras da sala de aula enfileiradas.
  • Separar os crachás da turma de acordo com os nomes os alunos de cada fileira, colocando-os em caixas.
  • Colocar uma caixa na primeira carteira de cada fileira.
  • A um sinal, dado pelo professor, o primeiro aluno da fileira pegará o seu nome e passará a caixa para o aluno de trás, e assim sucessivamente até chegar ao último aluno da fileira.
  • Os alunos de cada fileira, juntos, deverão organizar os crachás em ordem alfabética, afixando-os no quadro de pregas. Essa atividade será orientada pelo professor com a participação de toda a turma.
Durante a atividade, o professor deverá fazer as intervenções necessárias, pois nem todos os alunos conseguirão identificar corretamente o seu 
próprio nome. Caso isso aconteça, pergunte:



- O seu nome começa com essa letra?
- Onde está o começo deste nome?
- Que letra é esta?
- O seu nome é ALINE. ALINE começa com a letra A. Esse nome que 
você pegou tem a letra A? Essa letra (aponte para a 1ª letra do crachá) 
é a letra A?
- Vamos procurar qual o nome que começa com a letra A?
- Se necessário, continue fazendo as intervenções, até que o aluno 
consiga encontrar o seu nome.
Ø Elaborar fichas com os nomes dos alunos. Cada aluno receberá o seu 
nome e deverá recortar as letras, misturá-las sobre a carteira e, em seguida, recompor o nome, colando no caderno ou em outro material.
  • Orientar os alunos a dobrar os crachás marcando cada letra (o professor deverá observar cada aluno e fazer as intervenções necessárias; se for o caso, mostrar o nome do aluno para que ele faça a revisão e as alterações antes de colar no caderno).
Ø Entregar aos alunos fichas com os seus nomes, eles deverão recortar 
as sílabas que compõem os seus respectivos nomes, misturá-las sobre a 
carteira e recompor os nomes, colando no caderno ou em outro material. 
Se for necessário, mostrar o nome do aluno para que ele faça a revisão e 
as alterações necessárias antes de colar no caderno.
  • Orientar os alunos a falarem seus respectivos nomes, pausadamente, contando cada sílaba pronunciada.
  • Todos deverão dobrar seus crachás, de acordo com o número de sílabas (o professor deverá observar cada aluno e fazer as intervenções necessárias).
  • Os alunos deverão cortar e misturar as sílabas reorganizando-as, formando o seu nome e colando-o no caderno ou em outro material.
  • O professor deverá registrar no quadro, com a participação dos alunos, os nomes que têm sílabas iguais destacando-as. Após destacar as sílabas, chamar atenção para as letras necessárias à escrita das mesmas.
Ø Preparar um cartaz com a escrita da música A CANOA VIROU.
  • Apresentar o texto desafiando os alunos a anteciparem o conteúdo escrito no cartaz.
  • Explicar para os alunos sobre a atividade a ser realizada.
  • Desenhar no chão uma grande canoa, pode ser com giz.
  • Conforme a música vai sendo cantada, o professor mostra um crachá e os alunos leem este nome e o dono dele entra na canoa.
Para esta atividade, escolher alguns nomes que possibilitem reflexões 
sobre o sistema de escrita alfabético.
Ø Preparar fichas com a escrita dos nomes dos alunos faltando a 1ª letra 
ou a 1ª sílaba:
  • Organizar os alunos em roda.
  • Espalhar as fichas e desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo das fichas questionando-os: o que está escrito nestas fichas? Mas será que aqui está escrito o nome da Juliana? Para ser o nome dela, o que está faltando?
  • Entregar a cada aluno a ficha correspondente ao seu nome.
  • O que fazer para ser o seu nome?
O professor deve estar atento às dificuldades dos alunos, fazendo as intervenções necessárias. Talvez seja preciso ensinar o traçado da letra 
a alguns alunos; esteja atento.
Ø Preparar fichas com os nomes dos alunos, tendo o cuidado de não 
escrevê-los com letras de tamanho pequeno:
  • Organizar os alunos dispostos em roda.
  • Espalhar as fichas no centro da roda e desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo escrito nelas.
  • Solicitar que cada aluno pegue a ficha em que está escrito o seu nome.
  • Colocar um quadro de pregas no centro da roda e orientar os alunos a organizarem os seus nomes em ordem alfabética. Indagar: Como podemos fazer isto?
  • Organizar esses nomes tendo o cuidado de refletir, junto com os alunos, sobre as letras iniciais dos nomes.
  • Solicitar que os alunos registrem o seu nome no caderno ou em outro material, destacando com lápis de cor a letra inicial.
Ø Leitura do nome do colega:
  • Colocar numa caixa (de tato) os nomes dos alunos.
  • Explicar para os alunos como será o desenvolvimento da atividade.
  • Passar a caixa de mão em mão e solicitar que cada aluno pegue uma ficha, tente ler o que está escrito nela.
  • Pedir que cada aluno leia o nome em voz alta. Se houver dificuldade para identificar o nome escrito, o professor deve fazer as intervenções necessárias ajudando o aluno a realizar a atividade.
  • Pedir que os alunos registrem no caderno o seu nome e o nome do colega (o nome tirado da caixa).
Ø Ditado:
  • Entregar aos alunos uma lista com os seus nomes.
  • Desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo desta lista (O que temos escrito aí? Por que vocês acham que trata disto? Todos os nomes começam iguais? Todos os nomes têm o mesmo número de letras? etc.)
  • Ditar três nomes da lista.
  • O aluno deverá encontrá-los na lista que tem em mãos e circulá-lo.
A seguir, escrever o nome no quadro e orientar os alunos para a revisão.
Para que essa atividade seja possível a todos os alunos, é importante fornecer algumas dicas, como: o nome começa com a letra L; termina 
com a letra A; tem 5 letras; começa com a sílaba LU; o nome é LUCIA.
Ø Fazendo a chamada:
  • Entregar aos alunos uma lista com os seus nomes.
  • Desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo desta lista (O que temos escrito aí? Por que vocês acham que trata disto? Todos os nomes começam iguais? Todos os nomes têm o mesmo número de letras? etc.)
  • Pedir aos alunos para dizerem os nomes dos ausentes, procurarem esses nomes e circular.
  • Registrar estes nomes no quadro e refletir com alunos sobre a escrita deles.
Ø Escrita espelhada:
  • Escrever os nomes dos alunos em fichas de plástico transparente (usar caneta para retroprojetor).
  • Organizar os alunos dispostos em roda e espalhar estas fichas no centro (viradas).
  • Desafiar os alunos a anteciparem o conteúdo desta ficha (O que temos escrito aí? Por que vocês acham que trata disto? Tem algo estranho nesses nomes? Quando mudamos as letras de posição o nome continua o mesmo? etc.)
  • Desvirar as fichas e questionar os alunos sobre o que perceberam.
  • Entregar a cada aluno a fichas com o seu nome e solicitar que o registre em seu caderno.
Ø Nomes partidos:
  • Preparar envelopes feitos com folhas de revistas ou outro material reaproveitado. Colocar fichas com as sílabas que compõem os nomes dos alunos dentro dos envelopes.
  • Entregar a cada aluno o envelope com as fichas do seu nome.
  • Solicitar que abram o envelope e descubram o que está escrito nas fichas.
  • Pedir que cada um forme o seu nome, chamando atenção para a sílaba inicial.
  • Desafiar os alunos a retirarem a ficha que tem a sílaba final e verem o que aconteceu.
  • Escrever um dos nomes no quadro e destacar a sílaba inicial.
  • Propor que os alunos falem outras duas palavras que têm esta mesma sílaba no início.
  • Pedir que colem no caderno as sílabas formando o nome.
  • Destacar a sílaba inicial com lápis de cor e escrever ao lado o número que representa a quantidade de sílabas que compõem o nome.
Ø Chamada pela sílaba inicial:
  • Preparar fichas com as sílabas iniciais dos nomes dos alunos e colocá-las num “saquinho”.
  • Combinar com os alunos como será a chamada – feita pela sílaba inicial dos nomes, assim:
Sortear uma sílaba, mostrar e ler. O aluno cujo nome inicia com esta 
sílaba deverá ficar de pé.
As sílabas vão sendo colocadas num quadro de pregas.
Ø Pedir que os alunos registrem no caderno a 1ª sílaba dos seus nomes e desenhem ao lado um objeto cujo nome inicie com a mesma letra.
Apresentamos aqui apenas algumas sugestões de atividades que podem 
ser realizadas no momento da “chamada”. Cabe ao professor fazer as adaptações necessárias de acordo com a sua turma. Se os alunos já consolidaram a escrita do 1º nome, o professor poderá planejar 
atividades para esse momento diário da aula ensinando a escrita do 
nome completo.

Retirado do Blogger PROALFA

Um comentário: