sexta-feira, 24 de maio de 2013

A produção textual em sala de aula


materialof1.jpginicio1_.jpg


Etapa 1 (tempo previsto: 10’) 

Convide os participantes a voltarem ao tempo de escola e relembrarem uma experiência interessante que tiveram com produção de texto. 
Anime-os a pensar nas várias situações que envolveram esse momento significativo: 
quem era o professor? 
Como ele interagia com os alunos (elogiava, ajudava, sentava junto, ou mantinha-se distante). 
Que atividades costumava propor para a turma escrever? 
Peça que cada um faça um desenho que represente essa cena.


dica1.jpg

Etapa 2 (tempo previsto: 20’)
Convide os participantes a compartilhar as lembranças. Inicialmente, peça que observem os desenhos uns dos outros. Incentive-os, então, a procurar os colegas que fizeram desenhos com os quais se identifiquem ou que têm alguma semelhança com a sua representação. Oriente para que formem pequenos grupos e conversem sobre o que os desenhos revelam. Pergunte se podem identificar quais concepções de ensino da escrita estão por trás das práticas que recordaram. 

Veja exemplo
 
Observe se as representações apresentadas revelam que os alunos escreviam a partir de um título, um tema, uma imagem, sem atividades prévias para se iniciar o trabalho de produção, ou seja, se a proposta de escrita era apenas um motivo para a produção de gêneros escolares, como o relato de fim de semana, relato de passeio, resumo de aula e outros voltados para o treino de gramática e ortografia. Outro aspecto a considerar na reflexão que fizer com os professores é se as propostas de escrita tinham vinculação com outros gêneros discursivos, não escolares. Aqui é importante considerar que a escola faz parte da sociedade e tem uma clara função de organizar o conhecimento que circula fora dela. Portanto, os gêneros que a escola produz são sociais, circulam socialmente, já que ela é um espaço social. Neste momento, é importante distinguir os gêneros escolares dos não escolares, como os literários, os jornalísticos, os científicos, os instrutivos, etc. Por exemplo, havia alguma proposta de escrita que aproximasse os alunos de situações de produção de gêneros não escolares, como quadrinhas, ou crônicas, ou verbetes de enciclopédia?
Verifique também se há representações em que a escrita é vista como trabalho, que envolve um fazer e refazer, ou se a escrita tem uso e função social, estabelece interlocução entre autor e leitor (motivo que ele tem para escrever, para quem ele vai escrever, onde seu texto será lido e o gênero que utilizará na escrita do texto).
Incentive ainda que os participantes relembrem as sensações, emoções (medo, alegria, ansiedade, insegurança etc) vividas durante o processo de elaboração do texto e se esses sentimentos interferiram na interação com o professor e no desempenho da escrita.
Após a reflexão, cada grupo elege um orador para socializar suas conclusões. Para facilitar as discussões, anote as observações dos grupos. Monte um varal ou um painel com os desenhos.
Etapa 3 (tempo previsto: 15’)

Proponha ao grupo outras questões para reflexão:

De que maneira as práticas relembradas contribuíram para o desenvolvimento da escrita?
Elas ainda estão presentes em sala de aula?
Hoje, como são as práticas de produção textual?
O importante é que, além de trocar as experiências, os participantes percebam que existe uma concepção de ensino aprendizagem por trás de toda prática de sala de aula. Incentive-os a identificar quais eram as concepções de ensino da escrita que estavam por trás dos procedimentos metodológicos adotados nas experiências lembradas e a compará-las com as práticas atuais. Ao final da discussão, organize uma síntese conjunta das principais conclusões.
Etapa 4 (tempo previsto: 15’)
A partir das conclusões, peça que o grupo observe se em alguma prática apresentada foi possível perceber que o professor se preocupava em definir claramente para seus alunos a situação de comunicação: escrever com uma intenção, para alguém ler, escolhendo o gênero mais adequado para este objetivo e o local onde vai circular.
À medida que as práticas vão sendo apresentadas, ajude-os a refletir se essas representações estão mais próximas ou mais distantes da proposta com gêneros textuais desenvolvidas nos fascículos do Kit Itaú de Criação de Texto.
Aproveite o texto Propostas de ensino de leitura e escrita no Escrevendo - Buscando contribuir para superação das dificuldades dos estudantes brasileiros, de Heloisa Amaral, publicado em 14 de fevereiro de 2007 na Comunidade Virtual.
 A escolha da abordagem de ensino de língua por meio de gêneros textuais não foi aleatória. As referências mais atuais sobre um ensino eficaz de Língua Portuguesa, entre elas os Parâmetros Curriculares Nacionais produzidos pelo MEC, recomendam que o aluno trabalhe na escola com uma ampla diversidade de gêneros de textos, literários e não literários, orais e escritos, e que leia, discuta e escreva com finalidades definidas, para ouvintes e leitores de dentro e de fora da escola que, de alguma forma, deem uma resposta ao que ele escreveu.
Assim, em vez de fazer as tradicionais redações sobre as férias ou o fim de semana que apenas o professor vai ler, a produção escrita dos alunos pode ser orientada para, por exemplo, ser uma carta de solicitação pedindo à diretora da escola a liberação do uso da quadra aos domingos, ou a preparação de cartazes para uma campanha de saúde que tenha como finalidade mobilizar a comunidade, ou a escrita de poemas para serem lidos num sarau da igreja.
Os textos produzidos nessas condições ficam muito mais significativos do que aqueles feitos para a troca exclusiva com o professor, para obtenção de uma nota. Com a perspectiva de comunicação mais ampla e objetiva, os textos dos alunos deixam de ser uma escrita tipicamente escolar e passam a ser uma escrita produzida na escola, mas com significado extra-escolar, tanto para quem escreve como para quem lê.
Para finalizar, faça uma leitura conjunta do texto a seguir e promova a socialização das conclusões.
Nos últimos anos, a expressão “gêneros de texto” tornou-se comum, mas poucas vezes paramos para pensar no que ela significa. Como a palavra "gênero" significa "família, grupo", podemos dizer que gêneros textuais são “famílias”, grupos de textos, orais ou escritos, que têm origens próximas e são ligados entre si por pertencerem a uma mesma área de conhecimento e ocorrerem em situações de comunicação semelhantes.
Um exemplo que estamos falando é o jornal, que é uma área de produção de informações. Todos os gêneros produzidos nele são chamados de “gêneros jornalísticos” (notícias, editoriais, reportagens, por exemplo) e têm muitos aspectos em comum, determinados pela maneira como o conhecimento jornalístico é produzido e organizado. Outro dos inúmeros campos de conhecimento que produzem formas de linguagem próprias é o jurídico. Há um grande número de “gêneros jurídicos” como as leis, as petições, os contratos, os estatutos, por exemplo, todos carregando traços do trabalho e do conhecimento de juízes  promotores e advogados. Outros gêneros que podem ser agrupados numa mesma “família” são os literários, produzidos para o entretenimento e o deleite dos leitores por autores que são verdadeiros artistas. Entre eles estão os romances, os poemas, os contos, as narrativas policiais, as crônicas, etc.
Além desses campos de conhecimento mais formais, a cultura popular possui gêneros constituídos ao longo de séculos e transmitidos de boca em boca através das gerações familiares, como cantigas de ninar, de roda, contos, fábulas, lendas, advinhas e muitos outros. Como todas as formas de linguagem nascidas nas diferentes situações de comunicação são gêneros, podemos dizer que também são gêneros de texto as conversas familiares e as conversas de bar. Esses últimos são marcados pela informalidade das situações de comunicação em que são produzidos.
Finalizando, podemos dizer que são gêneros textuais todas as formas de linguagem produzidas em toda e qualquer situação de comunicação, que podem ser reconhecidas e utilizadas pelas pessoas que estão se comunicando por terem formas conhecidas. Ao contar uma piada, passar uma receita, dar uma instrução qualquer, já sabemos de antemão quais são as formas, as características do gênero que vamos usar. Quem conversa conosco, do mesmo modo, também reconhece os elementos do gênero que está sendo usado e ri da piada, anota a receita ou presta atenção às instruções. Os gêneros, por terem marcas reconhecidas pelas pessoas que se comunicam, são instrumentos que possibilitam o entendimento entre as pessoas.
Você viu, pelos exemplos acima, que são inúmeros os gêneros de texto que existem na língua. Podemos dizer que seu número é infinito, pois cada uma dessas formas de linguagem decorre das inúmeras e diferentes situações de comunicação (ou situações de produção de linguagem) que vivemos no cotidiano, sejam elas informais ou mais formais. Uma pessoa, por exemplo, no seu papel de mãe ou pai, pode, num dado momento, dar instruções a seus filhos. Logo em seguida, no seu papel de profissional, pode escrever um texto técnico para seu chefe. Mais tarde, essa mesma pessoa pode se tornar um leitor de jornal ou um telespectador, envolvido com o noticiário do dia ou com uma novela. Como as situações de comunicação mudam constantemente, uma mesma pessoa usa vários gêneros num só dia, porque muda de lugar social nas diferentes situações de produção de linguagem: ora ocupa o lugar de pai ou mãe, ora de profissional em seu trabalho, ora de pessoa que busca informações sobre o mundo em que vive, etc.
Podemos concluir que, como só nos comunicamos por meio de gêneros textuais, quanto mais gêneros dominarmos maior será nossa capacidade de comunicação, nosso desenvolvimento pessoal e nossa capacidade de exercer a cidadania.
Muitos dos gêneros que utilizamos são aprendidos informalmente nas relações sociais mais próximas. Outros, porém, exigem ensino sistematizado para serem aprendidos. A escola é responsável pelo ensino sistematizado de gêneros mais formais. No caso deste Prêmio, os gêneros formais propostos para este tipo de ensino são: artigo de opinião, memórias e poemas. (Fonte: Kit Itaú de Criação de Textos - Prêmio Escrevendo o Futuro- 3ª edição 2006 –Pp. 2 e 3)


Retirado do Blogger Alfabetizar é ir além de ler e escrever

2 comentários: